O TEMPO (II)

O tempo sulca meu rosto com seu formão antigo molécula por molécula, traço por traço.

O que resiste ao pó é um último abraço.

O velho em mim estica os braços onde me abrigo.

Os rasgos em minha pele, veios sangrados de paixão justificam o ocaso de uma alma com sede de alegria o livro de uma existência fugaz, adornada de poesia escrito por silêncios e gritos, no solar da solidão.


Meus últimos passos tropeçam nas pedras soltas do estio dos fins de tarde onde a luz é parca e não há horizonte. Cego, tateio o infinito, e compreendo que o fim não tem fonte a carne que mastigo é vento com seu gosto acre de vazio.


O tom gris de minhas palavras derradeiro olhar sobre as sobras é o triste retrato de uma paisagem mítica espelho de vozes distantes, eco de sombras que não têm mais música.


Ouço ainda um riso balançar minha cadeira. É um riso antigo, repleto de cores perplexo, sorrio com ele enquanto meu coração dança ao som das luzes últimas das dores

de uma vida inteira.

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

De todos os ritos de todos os ferros os que melhor nos prendem à rocha dos mitos são os os elos dos grilhões de Eros.

A vida é um punhado de átomos que a vida tomou emprestado do universo, mas logo devolve. Parece que é o tempo passando mas são só seus processos físico-químicos reagindo. Mesmo a eternidade dura pouco

Corra, corra, corra de tudo até à beira do nunca mais até chegares à fronteira do mesmo nada em que te esvais. Então salta em teu próprio abismo queda-te de joelhos, terno reza o silêncio ouro em seu